Língua Portuguesa: O que é Concordância Verbal

Língua Portuguesa: O que é Concordância Verbal

Talvez um dos assuntos mais difíceis da língua portuguesa, pois tem feito confusão em muitos estudantes.

De acordo com Cunha e Cintra (2008, p.510), a solidariedade entre o verbo e o sujeito, que ele faz viver no tempo, exterioriza-se na concordância, isto é, na variabilidade do verbo para conformar-se ao número e à pessoa do sujeito. Nessa perspectiva, eis a Regra Geral para a Concordância Verbal: o verbo concorda com seu sujeito em pessoa (Eu/Tu/Ele/Nós/Vós/Eles) e em número (singular/plural). Porém, há exceções! Para estudá-las, recomenda-se, a princípio, a atenção com estes conceitos:

Verbo: palavra que indica um fato (em geral: uma ação, um estado emocional, ou um fenômeno proveniente da força da natureza), localizando-o no tempo.

Sujeito: termo da frase sobre o qual se declara algo.

Concordância verbal: Sujeito Simples

O sujeito simples constitui-se de um núcleo, isto é, de uma palavra principal.

1. Os nomes, que apresentam apenas a forma no plural, quando vierem precedidos de artigo, concordarão com o verbo:

- Minas Gerais é responsável por 50% do café produzido no Brasil.

(A concordância é feita, de modo implícito, com a palavra “O Estado”).

- As Minas Gerais são responsáveis por 50% do café produzido no Brasil.

Mas, atenção:

Admitem-se as duas construções para a referência a títulos de livros e nomes de obras, mesmo precedidos de artigo:

- Vidas Secas retrata a seca do Nordeste e a dura saga de uma família de retirantes.

(A concordância é feita, de forma implícita, com a palavra “O romance”).

- Vidas Secas retratam a seca do Nordeste e a dura saga de uma família de retirantes.

2. Os pronomes relativos “que” e “quem”:

O verbo concorda com o antecedente do “que”.

- Foi o organizador da Feira que sugeriu a exposição do veículo.

O verbo pode concordar com o antecedente do “quem” ou – o que é recomendável – ficar na 3º pessoa do singular. Cabe destacar que o pronome “quem” somente deve ser empregado para se referir a seres humanos.

Foram os alunos quem reivindicou o desconto nas mensalidades.

3. O pronome apassivador: se

- Divulgaram-se os preços dos ingressos.

O sujeito da oração (preços) concorda com o verbo (divulgaram).

Uma dica: Tente a inversão: “Os preços são divulgados.”. Vale ressaltar que a inversão não é possível quando o sujeito não é determinado na frase. Nesse caso, o verbo fica no singular:

- Não se confiava nas suas boas intenções. (verbo no singular)

Não se admite a transformação: “Nas suas boas intenções não eram confiadas”. Portanto, o verbo fica no singular, pois o sujeito é indeterminado.

4. As expressões de sentido quantitativo A maior parte de, Grande parte de, A maioria de, Grande número de, Uma porção de, Grande quantidade de, Parte de acompanhadas de complemento no plural admitem a concordância verbal no singular e no plural:

- A maior parte dos pinguins se concentra naquele ponto.

- A maior parte dos pinguins se concentram naquele ponto. 

5. Verbos dar, bater, soar indicando horas: concordância com o sujeito
- O relógio deu sete horas e cinquenta e um minutos.

- O sino da igreja bateu cinco horas.

Caso não seja revelado quem deu as horas, o sujeito é a quantidade de horas expressa:

- Deu uma hora no relógio da igreja.

- Deram cinco horas...

6. Mais de, menos de, cerca de, perto de + numeral:
O verbo concorda com o número ao qual se refere:

- Cerca de sessenta mil ingressos foram vendidos para o jogo do Cruzeiro.

-Mais de um interessado compareceu à entrevista de emprego.

Obs.: Emprega-se o verbo no plural quando a expressão “mais de um” exprimir ideia de reciprocidade ou vier repetida:

- Mais de um palestrante se criticaram mutuamente no Congresso.

- Mais de um idoso, mais de uma criança não puderam fugir a tempo.

Concordância verbal: Sujeito Composto (constitui-se de mais de um núcleo)

Regra Geral: Sujeito Composto antes do verbo = verbo no plural

7. Exceções → concordância facultativa:
Núcleos em gradação:

- Uma indignação, uma fúria desmedida, um ódio profundo, tomou (tomaram) conta de seu coração.

Núcleos sinônimos ou quase sinônimos:

- A comunidade, a população une-se (unem-se) para reivindicar melhorias na educação municipal.

Núcleos: verbos no infinitivo:

- Cantar e dançar a destacava (destacavam) naquela difícil seletiva.

Obs.: Ocorrerá o plural, quando os infinitivos indicarem ideias contrárias.
- Amar e odiar faziam parte da rotina daquele casal.

8. Um e outro + substantivo → verbo no singular ou no plural
- Um e outro decreto trata (tratam) da questão ambiental.

9. Um ou outro, ou nem um, nem outro, acompanhadas ou não de substantivo
→ Verbo no singular:

- Luiz Fernando ou Gabriel será eleito o novo presidente da empresa.

Obs.: Quando “ou” não indica a ideia de exclusão, o verbo fica no plural:

- O talento ou a dedicação são necessários para o sucesso profissional.

10. O verbo fica no singular ou no plural quando precedido da expressão uma das que, um dos que:
- A abelha é uma das espécies que se encontra (encontram) em extinção.

Note que, se a opção é pelo singular, a concordância é feita com “A abelha”, se pelo plural, com “uma das espécies”. Vale salientar que o plural é a forma mais usual nesse caso.

11. Sujeito Composto + palavra resumitiva (tudo, nada, ninguém...) → verbo no singular
- Crisântemos, hortências e tulipas, tudo encantava os turistas.

12. Sujeito Composto depois do verbo:
Verbo no singular → concordância com o primeiro núcleo

- Compareceu ao Conselho de Classe o diretor e os professores.

Verbo no plural→ concordância com os núcleos

- Compareceram ao Conselho de Classe o diretor e os professores.

13. Sujeito composto de pessoas gramaticais diferentes:
Se a 1ª pessoa (eu/nós) faz parte do sujeito: verbo na 1ª pessoa do plural

- Você, seu amigo e eu fomos ao Farol naquele dia ensolarado. A diretora, os professores, os alunos e nós concordamos com a realização da gincana.

Se a 2ª pessoa (tu/vós) constitui o sujeito simples: verbo na 3ª pessoa do singular

- Vossa Excelência se posicionou acerca do crescente desemprego no país. (e não posicionastes)

Se a 2ª pessoa (tu/vós) integra o sujeito composto: verbo na 3ª pessoa do plural

- Tu e o teu namorado devem (e não deveis) fazer as pazes.

Obs.: A opção pela 3ª pessoa do plural se deve ao desuso do pronome “vós” e respectivas formas verbais no Brasil.

Concordância Verbal: Concordância dos Verbos Impessoais

Verbos Impessoais: sem sujeito → 3ª pessoa do Singular

14. Verbo “haver” → impessoal quando sinônimo de “existir” ou “acontecer”:
- Havia belas cachoeiras e frondosas árvores naquela região. (sinônimo de “existir”)

- Nesta rodovia, nunca houve acidentes. (sinônimo de “acontecer”)

Obs.: Em locuções verbais, o verbo “haver” transmite a impessoalidade para o verbo auxiliar:

- Na reunião, devia haver umas vinte pessoas. (Singular)

15. Verbo “Fazer” → impessoal ao indicar tempo decorrido ou a decorrer:
- Faz dois anos que visitamos o “Museu de Arte Contemporânea” em Niterói-RJ.

Em locuções verbais, o verbo “fazer” transmite a impessoalidade para o verbo auxiliar:
- Sábado vai fazer três meses que ela se casou. (Singular)

16. Concordância do verbo “Ser”:
Sujeito no singular (referente à coisa) + Predicativo no plural (substantivo):

- Minha preocupação são as atividades a serem feitas em grupo.

Sujeito no plural (coisa) + Predicativo (coisa):

- Aqueles coqueiros era um verdadeiro encanto. (Concordância com o predicativo – verbo no singular)

- Aqueles coqueiros eram um verdadeiro encanto. (Concordância com o sujeito – verbo no plural)

Sujeito (pessoa) ou Predicativo (pessoa):

- Os colegas da faculdade eram a sua maior recordação.
A maioria, Grande número, A maior parte, etc. (Sujeito) + verbo “ser”:

- A maior parte são japoneses.

Pronome pessoal → na função de predicativo:

 -O autor da música somos nós.

É muito, É pouco, É mais de, É menos de, É demais, É suficiente, É bastante ao indicarem quantidade: Singular

- Cinco semanas é pouco para ele fazer a reforma da casa.

- Duzentos mil reais é mais do que eu preciso para a compra do apartamento.

Tudo, isto, isso, aquilo → sujeito

- Tudo são comemorações no aniversário do município.

Verbo “ser” - horas e distância: concordância com a expressão numérica

- Agora são seis horas.
- Daqui ao supermercado, são quinze quilômetros.

Verbo “ser’ – datas: concordância com a palavra “dia (s)” expressa ou subentendida na frase

- Hoje são nove de julho.
- Hoje é dia dezesseis.

Expressão Haja vista

Na expressão haja vista, a palavra vista é sempre invariável. O verbo haja pode ficar invariável ou concordar com o substantivo que se segue à expressão:

- Haja (ou hajam) vista os últimos resultados nas provas, tem se estressado com os estudos.

Também admite-se:

- Haja vista aos últimos resultados nas provas, tem se estressado com os estudos.

No geral, o verbo concorda com o sujeito ao qual se refere. Entretanto, conforme explicado, há exceções a essa regra. Há casos em que a concordância pode ser feita no singular e no plural; noutros apenas no singular, apesar da referência a um sujeito composto; e somente no plural, mesmo se tratando de um sujeito simples. Nesse contexto, é imprescindível o estudo atento para o aprendizado das regras inerentes à Concordância Verbal. 


Referências:


BRASIL. Casa Civil da Presidência da República. Manual de Redação da Presidência da República. – Brasília: Presidência da República, 2002. Disponível em: <www.planalto.gov.br/ccivil_03/manual/manual.htm>.

CUNHA, Celso; CINTRA, Luís F. Lindley. Concordância Verbal. In: ___ Nova gramática do português contemporâneo. 5.ed. Rio de Janeiro: Lexikon, 2008, p. 510-530.

Nenhum comentário:

Postar um comentário