Stephen King

Stephen King

Stephen Edwin King é um famoso escritor americano apontado como um dos mais proeminentes autores de contos fantásticos e de ficção de sua geração. Já vendeu mais de 400 milhões de livros em mais de 40 países e está entre os dez autores mais traduzidos no mundo. Muitas de suas obras inspiraram grandes sucessos adaptados para séries de televisão e para o cinema, como a série “The Dead Zone” e o filme “À Espera de Um Milagre”. O autor também já foi convidado para colaborar no roteiro de séries de TV, como “Arquivo X”, em que ele assina o episódio “Feitiço”. É um dos autores mais adaptados para o cinema e para a televisão.

O pai abandonou sua família quando Stephen tinha apenas dois anos de idade, deixando a ele, sua mãe e irmão mais velho adotivo em graves dificuldades financeiras. A família, então, voltou para a cidade natal da mãe de Stephen e depois mudou-se para diversas cidades nos Estados Unidos.

Em 1966, entrou para a Universidade de Maine, onde ele escrevia uma coluna intitulada "King's Garbage Truck" para o jornal estudantil, o “Maine Campus”. King ensinou na Academia Hampden em Hampden, Maine e passou a escrever histórias curtas para revistas. Casou-se em 1971 com Tabitha Spruce, que ele conheceu na biblioteca da universidade quando ainda eram estudantes.

Foi, então, morar com sua família em um trailer, levando uma vida bastante simples. Mas logo King passou a escrever romances. Começou a esboçar as primeiras ideias de uma personagem que era uma jovem com poderes psíquicos, porém, abandonou a ideia e descartou os esboços. Sua esposa resgatou os escritos do lixo e encorajou-o a retomar e terminar o romance, a que ele chamou de “Carrie”, concluiu e mandou para publicação, em Doubleday. Neste período ao autor perde sua mãe para o câncer aos 59 anos de idade. Antes que ela falecesse, porém, sua tia Emrine leu o romance para a mãe de King.

King recebeu de Doubleday 2.500 dólares adiantados pela publicação de “Carrie” como novela, valor baixo mesmo para a época. Porém, os direitos autorais lhe renderam posteriormente consideráveis somas em dinheiro e King começa a ganhar reconhecimento como autor. Deixa, então, de lecionar e passa dedicar-se somente à produção literária e se muda com a família para o Colorado. Lá vivem por cerca de um ano e, durante essa temporada, Stephen escreve “The Shining” (O Iluminado), obra adaptada e levada aos cinemas pelo diretor Stanley Kubrick no ano de 1980. A família retorna, então, em 1975, para Maine, onde King conclui The Stand (A Dança da Morte). A partir de então, Stephen passa a produzir praticamente uma obra a cada ano ou a cada dois anos aproximadamente.

No ano de 2003, Stephen King foi agraciado com o título distinto da The National Book Fondation por sua contribuição para a literatura americana.


Nenhum comentário:

Postar um comentário