Literatura Inglesa - Unidade de Revisão

Literatura Inglesa - Unidade de Revisão

[YOUR ADS HERE]

Unidade de Revisão 


Unidade 1 – Os Primeiros Séculos 


Old English Period

 

Os primeiros escritos – literatura de cunho religioso. 

Características: textos em versos (caesura e aliteração), transmissão oral. 

Beowulf: mais antigo poema épico escrito em Old English. Relata lendas provenientes de outros povos.



Middle English Period 


O herói medieval – fusão do religioso com o pagão; o ciclo arthuriano.

Geoffrey Chaucer – panorama crítico da sociedade do período. 

The Canterbury Tales:coletânea de histórias interligadas; voz dada aos personagens para que esses narrem suas histórias; efeito de verdade.


Unidade 2 – A Era Elisabetana e Shakespeare


Período de grande desenvolvimento intelectual e artístico. Formação das companhias teatrais. Os teatros elisabetanos e suas estruturas aproximam os artistas do público. 

Shakespeare 


Peças para serem representadas. O valor do som das palavras é mais importante do que o enredo. 

Peças Históricas – o caráter humano nas figuras dos reis. 

Tragédias – marcadas pela morte dos protagonistas. 

Temas: a inveja, o ciúme, as relações familiares, a ambição, o fracasso. Comédias – final geralmente feliz. Abordagem mais leve para uma temática séria.


Unidade 3 – O Romantismo – Poesia


Poesia Pré-Romântica: 

William Blake – linguagem simbólica, a emoção e os sentidos à frente da razão. 

Primeira Geração Romântica: 


William Wordsworth – a linguagem do homem comum, a natureza como representação do divino. 

Samuel T. Coleridge – o sobrenatural, o bem e o mal no mesmo indivíduo, os poemas conversacionais.

Segunda Geração Romântica: 


Lord Byron – o poeta rebelde, estilo inquieto e pouca preocupação com as imagens e linguagem, poesia satírica. 

Percy B. Shelley – poesia melodiosa, dualismos (bem e mal, entusiasmo e desencanto, vida e morte). 

John Keats – poemas sensuais, musicais e ricos em linguagem, busca pela Beleza, pelo Eterno. 

Unidade 4 – A Prosa Romanesca


Daniel Defoe – estilo simples, direto, objetivo, narrativas em 1ª pessoa, caricatura como crítica social. 

Principal obra: 


Robinson Crusoe: fábula de sobrevivência e crítica ao expansionismo inglês. 

Jonathan Swift – grande humorista e satirista, critica e ridiculariza a sociedade em seus textos. 

Principal texto: 


As Viagens de Gulliver: obra em quatro partes, ironiza e ridiculariza vários setores da sociedade inglesa. 

Jane Austen – pouca preocupação com eventos externos, foco nos diálogos revestidos de ironia. 

Principal texto: 


Orgulho e Preconceito: retrato da classe média inglesa, o jogo de interesses, o orgulho e o preconceito entre as classes sociais.

Unidade 5 – A Era Vitoriana


Mary Shelley e Frankenstein: 


Influências byronianas: o mito de Prometeu, o galvanismo, a proposta do conto de terror. 

Temas: os limites éticos e religiosos, a intolerância, o preconceito. 

Charles Dickens – obra vasta, escrita em estilo direto, leve e recheado de humor. 

Grandes Esperanças: relato em 1ª pessoa sobre as desilusões sofridas pelo protagonista. Texto marcado pelo desencanto e pela ironia (crítica à sociedade vitoriana). 

Oscar Wilde – movimento estético “a arte pela arte”, os temas sociais resultam do efeito do belo. 

O Príncipe Feliz: fábula, o valor do real versus o valor das aparências, a amizade verdadeira, a morte como única recompensa para os injustiçados.

Unidade 6 – O Período Moderno


Primeiras décadas do século XX: panorama variado e complexo. 

Novo fazer artístico-literário: a experimentação, foco no mundo interior do indivíduo. 

Representantes: 


James Joyce e Virginia Woolf. 

Temas: a solidão, as incertezas da vida moderna, a busca pelo sentido da vida, o tempo. Textos sem enredo exterior, mas fixados nas emoções e pensamentos dos personagens.

George Orwell – um dos principais nomes da literatura engajada politicamente, textos com temática social. 

A Revolução dos Bichos:romance alegórico, crítica aos regimes totalitários surgidos das revoluções. 

1984: visão pessimista do futuro, controle estatal, o Big Brother.

Nenhum comentário:

Postar um comentário