Como Funciona Flexão de Grau Nos Substantivos

Como Funciona Flexão de Grau Nos Substantivos

Uma parte que confunde muita gente na gramática da língua portuguesa, não é mesmo?
Os substantivos podem variar quanto ao seu grau. Deste modo, eles podem apresentar-se com seu sentido diminuído ou aumentado.

Exs.:

Carro - Carrinho (diminutivo) - Carrão (aumentativo)

Dente - Dentinho (diminutivo) - Dentão (aumentativo)
Casa - Casa pequena (diminutivo) - Casa grande (aumentativo)
Cachorro - Cachorro pequeno (diminutivo) - Cachorro grande (aumentativo)

Há duas maneiras de formar o aumentativo e o diminutivo: sinteticamente e analiticamente.

Sinteticamente


Os graus aumentativo e diminutivo são formados a partir do acréscimo de um sufixo ao grau normal do substantivo.

Exs.:

Sala - Salinha (diminutivo)

Caderno - Caderninho (diminutivo)

Homem - Homenzinho (diminutivo)

Caneca - Canecão (aumentativo)

Dedo - Dedão (aumentativo)

Os sufixos aumentativos mais comuns do português são estes:
aça - caraça
aço - calhamaço
alha - muralha
ão - formigão, copão, cachorrão, pernão, dedão.
uça - dentuça

Os sufixos diminutivos mais frequentes no português são:
acho - riacho
ebre - casebre
eco - padreco
ejo - vilarejo
-eto, -eta - maleta
inho - menininho
inha - menininha
-zinho, -zinha - irmãzinha
isco - chuvisco

Analiticamente


Os graus aumentativo e diminutivo são formados a partir do acréscimo de uma palavra com sentido de aumento (grande) ou de diminuição (pequeno).

Exs.:

Sala pequena
Caderno pequeno
Caneca grande
Dedo grande

Observação: Nem sempre o grau diminutivo é utilizado para indicar tamanho físico, muitas vezes ele é utilizado para expressar desprezo e crítica em relação objetos ou pessoas.

Exs.:
Esse livreco não vale nada.
João é um padreco!

Povinho estranho.

Por outro lado, algumas palavras utilizadas no grau diminutivo também podem indicar carinho.

Exs.:

Minha maninha é um amor.
Minha mãezinha linda!
Camila é tão lindinha!

Referências:


BECHARA, Evanildo. Moderna gramática portuguesa. 38 ed. rev. ampl. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015.

CEGALLA, Domingos Paschoal. Novíssima gramática da língua portuguesa. 41 ed. São Paulo: Editora Nacional, 1998.

PERINI, Mario A. Gramática do português brasileiro. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

SOUZA, Jésus Barbosa de; CAMPEDELLI, Samira Youssef. Minigramática. 2 ed. São Paulo: Editora Saraiva, 2000.


Nenhum comentário:

Postar um comentário