Língua Portuguesa: Conjunções Coordenativas e Subordinativas.

Língua Portuguesa: Conjunções Coordenativas e Subordinativas.

Quando estudamos língua portuguesa, mais especificamente a gramatica em Morfologia, temos que estudar e principalmente aprender sobre as conjunções.

Conjunção é a palavra invariável que liga duas orações ou dois termos semelhantes de uma mesma oração.

Classificamos como Conjunções Coordenativas e Conjunções Subordinativas.


CONJUNÇÕES COORDENATIVAS

Dividem-se em:


ADITIVAS: expressam a ideia de adição, soma.

Observe os exemplos:

- Ela foi ao cinema e ao teatro.

- Minha amiga é dona-de-casa e professora.

- Eu reuni a família e preparei uma surpresa.

- Ele não só emprestou o joguinho como também me ensinou a jogar.

Principais conjunções aditivas: e, nem, não só... mas também, não só... como também.


ADVERSATIVAS: Expressam ideias contrárias, de oposição, de compensação.

Exemplos:

- Tentei chegar na hora, porém me atrasei.

- Ela trabalha muito mas ganha pouco.

- Não ganhei o prêmio, no entanto dei o melhor de mim.

- Não vi meu sobrinho crescer, no entanto está um homem.

Principais conjunções adversativas: mas, porém, contudo, todavia, no entanto, entretanto.


ALTERNATIVAS: Expressam ideia de alternância.

Exemplos:

- Ou você sai do telefone ou eu vendo o aparelho.

- Minha cachorra ora late ora dorme.

- Vou ao cinema quer faça sol quer chova.

Principais conjunções alternativas: Ou... ou, ora... ora, quer... quer, já... já.


CONCLUSIVAS: Servem para dar conclusões às orações.

Exemplos:

- Estudei muito por isso mereço passar.

- Estava preparada para a prova, portanto não fiquei nervosa.

- Você me ajudou muito; terá, pois sempre a minha gratidão.

Principais conjunções conclusivas: logo, por isso, pois (depois do verbo), portanto, por conseguinte, assim.


EXPLICATIVAS: Explicam, dão um motivo ou razão:

- É melhor colocar o casaco porque está fazendo muito frio lá fora.

- Não demore, que o seu programa favorito vai começar.

Principais conjunções explicativas: que, porque, pois (antes do verbo), porquanto.


CLASSIFICAÇÃO DAS CONJUNÇÕES SUBORDINATIVAS


CAUSAIS: Principais conjunções causais: porque, visto que, já que, uma vez que, como (= porque). Exemplos:

- Não pude comprar o CD porque estava em falta.

- Ele não fez o trabalho porque não tem livro.

- Como não sabe dirigir, vendeu o carro que ganhou no sorteio.


COMPARATIVAS: Principais conjunções comparativas: que, do que, tão...como, mais...do que, menos...do que.

- Ela fala mais que um papagaio.


CONCESSIVAS: Indicam uma concessão, admitem uma contradição, um fato inesperado. Traz em si uma idéia de “apesar de”. Principais conjunções concessivas: embora, ainda que, mesmo que, apesar de, se bem que.

- Embora estivesse cansada, fui ao shopping. (= apesar de estar cansada)

- Apesar de ter chovido fui ao cinema.


CONFORMATIVAS: Expressam uma ideia de acordo, concordância, conformidade. Principais conjunções conformativas: como, segundo, conforme, consoante

- Cada um colhe conforme semeia.

- Segundo me disseram a casa é esta.


CONSECUTIVAS: Expressam uma ideia de conseqüência. Principais conjunções consecutivas: que ( após “tal”, “tanto”, “tão”, “tamanho”).

- Falou tanto que ficou rouco.

- Estava tão feliz que desmaiou.


FINAIS: Expressam ideia de finalidade, objetivo.

- Todos trabalham para que possam sobreviver.

- Viemos aqui para que vocês ficassem felizes.

Principais conjunções finais: para que, a fim de que, porque (=para que),


PROPORCIONAIS: Principais conjunções proporcionais: à medida que, quanto mais, ao passo que, à proporção que.

- À medida que as horas passavam, mais sono ele tinha.

- Quanto mais ela estudava, mais feliz seus pais ficavam.


TEMPORAIS: Principais conjunções temporais: quando, enquanto, logo que.

- Quando eu sair, vou passar na locadora.

- Chegamos em casa assim que começou a chover.

- Mal chegamos e a chuva desabou.

Obs: Mal é conjunção subordinativa temporal quando equivale a "logo que". O conjunto de duas ou mais palavras com valor de conjunção chama-se locução conjuntiva.

Exemplos: ainda que, se bem que, visto que, contanto que, à proporção que.

Algumas pessoas confundem as circunstâncias de causa e consequência. Realmente, às vezes, fica difícil diferenciá-las.

Observe os exemplos:

- Correram tanto, que ficaram cansados. “Que ficaram cansados” aconteceu depois deles terem corrido, logo é uma consequência.

-Ficaram cansados porque correram muito. “Porque correram muito” aconteceu antes deles ficarem cansados, logo é uma causa.

Espero que com esse pequeno estudo te ajude, não deixe de comentar.


Um comentário:

  1. a flor do Lácio perfumada com técnica de ensino,servida como iguaria.Muito bom !

    ResponderExcluir